sábado, 19 de julho de 2008

O Espectro no Horizonte

A morosidade de uma tarde solitária em um sábado ensolarado ou a dormência preguiçosa de um domingo chuvoso. A tranquilidade de um quarto à meia luz ou uma madrugada passada jogado em um sofá abraçando alguém que se gosta... a beleza que vai desde os mais simples e corriqueiros cenários até ao mais vasto e amplo campo acariciado por um suave sopro de vento. A graça e melodia que marcam cada música de HEX, primeiro disco da banda BARK PSYCHOSIS, era, então, algo inaudito em bandas de Rock. Mas Bark Psychosis não era Rock, logo, precisava-se de um novo termo para definir seu majestoso e hipnotizante som.
Alguém em algum lugar, ouvindo-os, chamou-os de Post-Rock e assim iniciaria-se a aventura sem precedentes pelos relaxantes vales e planícies musicais de um dos mais injustiçados grupos dos últimos vinte anos.
Toda a abrasão caracterísitica do Rock praticamente inexiste em Hex, seu desafio consiste em seus tempos quebrados, suas melodias frugais e soporíficas, seus prolongados momentos instrumentais. Porém, se trata de um desafio que aceita-se de braços abertos. Um desafio que traz uma recompensa que vai muito além de apenas gratificante, sendo também graciosa e pacífica. A sensação é a de caminhar por entre nuvens, suspenso no ar, envolto em agradável solidão, banhado por uma morna luz do Sol que é suficiente apenas para iluminar e afastar o frio.
As camadas sobrepostas das guitarras cristalinas e a voz suave de Graham Sutton, o hábil retumbar comedido e apósito da bateria Mark Simnot, as tortuosas linhas de baixo de John Ling e o requintado piano de Daniel Gish são os simples elementos para criação de delicadas melodias que inspirariam outros grupos à seguir os caminhos desbravados por Bark Psychosis. Caminhos que levariam à aparentemente infinitos domínios etéreos livres para experimentações sem comprometimentos, porém acessível apenas aos poucos com paciência e sensibilidade suficiente para encontrar a beleza que reside nos mínimos detalhes.


Bark Psychosis - Absent Friend
(do disco Hex)




Bark Psychosis - Hex









01 - The Loom
02 - A Street Scene
03 - Absent Friend
04 - Big Shot
05 - Fingerspit
06 - Eyes & Smiles
07 - Pendulum Man



Discografia:

Hex (1994) * * * * * √
Codename: Dustsucker (2004) * * * * *

√ - (Volume 11 pick)

Um comentário:

bigonha disse...

Ouço o Bark Psychosis a uns 5 anos e ainda não conheci banda mais injustiçada. Sem dúvida algumas, esta é uma das grandes bandas de sempre...